Fogão a lenha gera energia elétrica no Acre

 
Postado em Energia em 17/11/2010 às 14h31
por Redação EcoD Comentários (1) RSS
 
  Diminuir Fonte Fonte Padrão Aumentar Fonte
 363 unidades do fog� foram instaladas no acre em 2009
Mais de 360 unidades do fogão foram instaladas no Acre em 2009/Foto: Divulgação

Um fogão a lenha capaz de produzir eletricidade para alimentar uma TV, quatro lâmpadas fluorescentes de 9W e uma geladeira pequena por até quatro horas. Assim é o BMGLUX, desenvolvido pela empresa brasileira Energer Energias Renováveis (pertencente ao Grupo BMG), e que tem sido testado em três cidades do Acre: Capixaba, Assis Brasil e Brasiléia, segundo informou o blog Planeta, do jornal O Estado de S.Paulo.

O produto, que também tem sido testado em casas de famílias ribeirinhas às margens dos rios Yaco e Macauã, funciona como uma miniusina de cogeração de energia elétrica a partir da queima de biomassa (lenha, gravetos, sabugos de milho e outros resíduos orgânicos encontrados no meio rural). Ao mesmo tempo em que é usado para preparar os alimentos, o “fogão sustentável” aproveita o calor residual para gerar energia elétrica.

Outro fator diferencial do BMGLUX é que ele dispõe de uma chaminé que evita a dispersão da fuligem gerada pela queima da biomassa no ambiente doméstico, consequência comum da utilização de fogões a lenha tradicionais.

“Antes nós vivíamos isolados. Agora vai ser melhor, porque nós não tínhamos energia aqui na zona rural. Hoje nós podemos assistir televisão e ficarmos informados sobre o que acontece aqui no Acre”, comemorou o seringueiro Jean Carlos Pereira, um dos beneficiados com a tecnologia. Até então, apenas as lamparinas iluminavam as residências do interior acreano, na região da floresta amazônica.

“Na comparação com as outras alternativas como kits fotovoltaicos e geradores a diesel, o fogão se mostrou mais eficiente para geração de energia em sistemas isolados, não só economicamente, mas socialmente também”, destacou ao blog Planeta Diego Santos, engenheiro do Núcleo de Estudos e Gestão de Energia da Andrade & Canellas, responsável pela realização do teste de viabilidade do fogão.

Santos lembrou que o conjunto gerador fotovoltaico é caríssimo. “Os geradores a diesel também são alternativas complicadas no campo, porque geralmente essa população não tem meios para ir buscar o combustível na cidade mais próxima”, acrescentou.

A empresa e a consultoria responsáveis querem aprovar o produto junto ao governo federal para que ele possa ser enquadrado no projeto Luz para Todos (que leva energia subsidiada a comunidades rurais). Se fosse vendido hoje sem subsídios, o fogão custaria R$ 6 mil a unidade.

Com informações do blog Planeta.

 
Tags: Ciência e Tecnologia , Energia
Anúncios